depression DEPRESSÃO

DEPRESSÃO TÁ NA MODA


Os dias vão passando e você passa a perceber que não tem mais aquele ânimo que tinha antigamente. Isso é tristeza ou depressão? Isso é a rotinas da vida que faz com que tudo perca seu brilho inicial, e passa a incomodar pela sua mesmice? Enfim, quando somos arrebatados por essa sensação logo começamos a pensar em diversas razões para tentar explicar e entender tal condição. O fato é que quase nunca conseguimos explicação satisfatória. E aí então vamos ao médico.

Para o médico a depressão consiste em desarranjos da química em seu cérebro e isso precisa ser sanado com remédios (farmacoterapia). Muitos criticam os médicos por terem uma visão simplista das condições mentais de um indivíduo e de entupirem as pessoas de remédios, mas essa é a tarefa deles: tratar os pacientes com remédios e isso, bem ou mau, funciona. E é isso que esperamos dos médicos: que sejam rápidos e efetivos.

About these ads

4 comentários

  1. Muito bom, parabens gostei. mas pra mim felicidade é um estado de espirito, nao necessariamente precisamos ter. basta estar em paz conosco e com o proximo, o ter vai ser consequencia do ser.

    Curtir isso

  2. Grande texto Luís. Parabéns! Gostaria de convidá-lo para uma discussão. Poderíamos olhar para os estados depressivos tão comuns hoje na sociedade com um olhar Kleiniano das posições Esquizo-paranóide e posição depressiva? Não seria a tal felicidade tão desejada pelas pessoas hoje em dia uma perpetuação de um estado esquizo-paranóide onde só é visto um vértice da verdade, ou seja, o vértice do “lado bom” da vida, enquanto o momento de depressão citado também seria uma posição esquizo-paranóide onde o indivíduo também só vê o “lado ruim” da vida? É comum ver indivíduos que dizem viver num estado de completa felicidade (quase loucos em minha opinião), e outros (talvez os depressivos) em um estado de completa tristeza, mas talvez a saída para o problema desse indivíduo seja pelo menos ver alguns vértices da verdade do “lado bom” e do “lado ruim” da vida juntos, e assim entrar no estado dito por Klein como depressivo, pois a verdade nunca é somente agradável. Mas é claro que é necessário muitos anos de análise para se conseguir chegar a um ponto assim. Grande abraço Luís!

    Curtir isso

    1. Renan, obrigado pelo comentário.
      Não sei se podemos equiparar posição EP com “lado bom da vida” e posição MD com “lado ruim da vida”. Esses termos constituem um conjunto teórico de ansiedades e defesas que definem um padrão de relação (objeto / pessoa). Ambas posições possuem ansiedade (na EP é persecutória, na MD é maníaca).
      Creio que essa oscilação ocorre, por exemplo, no consumismo, em que se compra num estado EP e depois se culpa num estado MD. Posição MD nem sempre é ruim, por exemplo quando o bebe acaba de mamar e fantasia a “perda do objeto total mãe”. Na verdade Renan, acho que pra Melanie Klein não há “lado bom da vida”, hehehe… nem pra psicanálise.
      Vou deixar a questão em aberto porque, como se viu, não tenho tanta intimidade com conceitos Kleinianos embora sejam sensacionais.
      Obrigado

      Curtir isso

  3. Ótimo Luis! De fato, eu também não sou profundo conhecedor dos conceitos Kleinianos, pelo contrário, talvez o pouco que sei é devido à algumas poucas leituras e discussões com Professor Alcides. Mas de fato, eu concordo com você na questão de que a posição depressiva não está relacionada ao “lado ruim” da vida e a posição EP com o “lado bom da vida”, pois o que eu disse no meu comentário foi que talvez o que torne o indivíduo depressivo por completo ou feliz por completo (se é que se pode dizer isso) é a aquisição de apenas uma parte da verdade última (O), o que constitui a posição esquizo-paranóide. Ao contrário disso, um indivíduo em posição depressiva não vai apenas apreender o “lado ruim” da vida, mas sim uma parcela mais fidedigna da realidade em que ele vive. A terminologia “lado bom” e “lado ruim” foi usado por mim apenas para ilustrar um pouco mais nossa discussão, que na verdade é a relação objeto/pessoa que você mesmo citou. Vou usar um exemplo dado pelo próprio Professor Alcides que me deu uma boa idéia sobre essa questão. Um analista durante a sessão vai iniciá-la em uma posição esquizo-paranóide, pois ao começar a ouvir as pertubações de seu analisando pode logo se sentir perseguido por não entender o que seu paciente trouxe para a sessão, e então por não aguentar essa sensação persecutória vai recorrer à defesas maníacas. Pode então criar uma interpretação qualquer a fim de eliminar o estado de tensão criado pelo não saber, dá-la ao paciente e se sentir convencido de que é o melhor analista do mundo (onipotência, que constitui uma defesa maníaca), o que seria literalmente um péssimo trabalho. Agora se ele aguentar o não saber e a posição EP, pode então no decorrer da sessão e do tratamento ficar numa posição depressiva, onde ele pode então ver, mesmo que pouco, mas algumas parcelas da verdade que constitui o sofrer de seu analisando, podendo então ajudá-lo. Em fim, tentei esboçar de forma simples o pouco que sei sobre essa grande psicanalista e espero que possamos prolongar nossa discussão Luís, pois é sempre um grande prazer falar sobre psicanálise com você! Grande abraço!

    Curtir isso

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s