POR UM FIO


População invade supermercado em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina na última terça-feira, dia 25/11/2008. Foto: Patrick Rodrigues

Ouve-se falar em “fúria da natureza”, e que a “natureza esta dando o troco ao homem”. Todas as concepções absurdas que ouvimos colocam o homem como “o grande dominador e perverso”, e a natureza como “um ser que sente raiva e fúria, podendo até se vingar”.

A foto se refere a uma invasão, dentre muitas, acorrida em um supermercado em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina no dia 25/11/2008, e mostra algo mais.Imaginemos as condições terríveis das pessoas que vivenciaram esta crise natural. Perderam o lar, objetos, familiares. Tudo muito úmido e sofrido. Os serviços básicos cessaram: Energia elétrica, água e esgoto, as lojas fecharam e o desespero se instalou.

Quando tudo acontecia, pessoas saqueavam lojas e supermercados e bandos se organizavam para assaltar casas e vender galões da água – que seriam distribuídos gratuitamente – por R$20,00, com a certeza de que sairiam impunes, pois o Estado dormia.Diríamos que foi experimentado um estado primitivo e desorganizado, como bem nos disse Thomas Hobbes, em seu livro Leviatã (1651). Hobbes conhece o homem como um ser naturalmente egoísta e anti-social, o Leviatã (monstro mitológico) então seria o soberano absoluto que cuidava para que os homens assinassem um contrato social e o cumprissem; contra a violência e a favor da cooperação. Esta característica de socialização é comum em animais sociais como abelhas, formigas e também no homem; embora Hobbes não considerasse o homem um animal com instinto social. Os homens, portanto, são naturalmente maus (“O homem é o lobo do homem”).Até onde vai a nossa dita humanidade? Que instintos malignos são esses, que nos permitem roubar e saquear, quando o Estado falha em monitorar nossa atividade? Poderiam dizer que a população estava saqueando, pois tinha necessidade para tal, mas se observarmos a foto acima, veremos que em um carrinho há 7 latas de achocolatado em pó e também uma TV de plasma, produtos nada essenciais a sobrevivência, não é mesmo?

Acredito que essas pessoas estavam realizando um velho sonho naquele momento (“O mundo está acabando, mas eu vou garantir minha TV de plasma”), como se a criança estivesse sozinha em casa, sem o pai para punir o menino “arteiro”.O homem não é um lobo, o homem é um homem mesmo, e isso já basta. A foto acima e as notícias sobre os saques são o retrato mais fiel de que a nossa humanidade, nossa conduto refinada e justa podem realmente estar por um fio.

2 comentários

  1. O homem tem uma “bondade” natural em si mesmo, desde que seus desejos sejam atendidos…

    em relaçao aos saques.o mais incrivel disso tudo é a ignorancia…
    será que esse povo que entrava lá p/ pegar comida nao conseguia pensar que a comida que estavam levando poderia estar totalmente estragada e improprias ao consumo , por estarem no meio daquela agua suja?
    fora, que está sendo enviada bastante ajuda, apesar daquelas vidas na maioria, estarem totalmente destruídas…

    Curtir

  2. Então, acheu tragicamente interessante perceber que houveram algumas semelhanças neste episódio de no filme “ensaio sobre a cegueira”. Concordo com Fernando que sem o olhar do estado (cegueira de saramago?) o homem em desespero se mostra como não o queremos ver.

    Curtir

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s