Medicina ou psicologia?


O LEITOR PERGUNTA

“Olá, estava pesquisando sobre psicologia pela net e achei seu site. Achei muito esclarecedor suas respostas, mas tenho uma grande dúvida. Estou fazendo curso pré-vestibular para medicina, mas cheguei a uma conclusão que não é realmente isso que desejo para a minha vida. Sempre me interessei muito pelo ramo da psicologia, mesmo que as pessoas de minha casa sejam contra. Pretendo fazer esse curso ano que vem e me especializar em psicologia da infância e da adolescência. Você acha um bom curso? Fico conversando com os meus amigos e vejo que tem um bom mercado de trabalho se você souber realmente aquilo que faz. Sempre gostei desse ramo, mesmo gostando de medicina, acho que muitas doenças podem ser sim psicossomáticas e não adianta ser apenas médico do corpo, sem entender a “mente” da pessoa. Espero que você tenha entendido minhas dúvidas. Desde já agradeço.”

(texto enviado pelo leitor, sem modificações)

SINAPSE OCULTA RESPONDE

Olá,

Essa é uma questão muito comum de estudantes do pré-vestibular e até de pessoas que já fazem uma faculdade nas áreas de saúde: Que tipo de visão vou adotar como profissional para ajudar as pessoas e ganhar minha vida?

Creio que você esteja então partindo para a psicologia o que vai lhe levar por caminhos teóricos e práticos distintos da medicina.

Vamos supor que você resolva fazer medicina. Se você gosta de psicologia, pode optar por psiquiatria. Você poderá atuar com psicoterapeuta, quero dizer pode se especializar depois em alguma psicoterapia (psicanálise, por exemplo) e atender as pessoas em seu consultório, assim como os psicólogos clínicos fazem. O problema é que vai ser difícil você aguentar todos os anos da faculdade de medicina e pode “chutar o balde” antes do tempo, tendo em vista que seu interesse maior é por fenômenos psíquicos e não fenômenos diretamente fisiológicos.

Fazendo psicologia você terá contato direto com as teorias psicológicas e, talvez, maior carga horários em disciplinas das ciências humanas, o que pode lhe trazer mais prazer em estudar e maior chance de concluir o curso. É um bom curso sim, mas, obviamente, vai depende do seu empenho e desejo em se tornar um psicólogo. Você tem razão em afirmar que existe bom campo de trabalho, muito embora o mercado de trabalho esteja lotado de psicólogos.

Penso que são raros “psicólogos completos”, quero dizer, psicólogos que passaram pelo curso todo e se dispuseram a estudar e tentar compreender, além das teorias e técnicas psicológicas, as neurociências e fisiologia, história, antropologia, cultura geral, artes, etc. Acho que falta hoje, em quase todos os profissionais, essa capacidade de “não se especializar”. Uma capacidade que vai lhe permitir um trabalho criativo e, talvez, novo. Esse é um dos legados de Freud, que era um ótimo aluno em ciências médicas, mas lia vorazmente os clássicos (Goethe, Darwin, Shakespeare, etc.), que o permitiu criar um novo campo de estudo.

Talvez sua família esteja preocupada com suas possibilidades de trabalho e emprego. De fato, como médico, você consegue sobreviver mais facilmente, pois em ultimo caso, se nada deu certo, você pode dar plantões em qualquer cidade, por menos desenvolvidas que seja e por mais incompetente que você seja. Por isso, muitas pessoas que não tem a mínima vocação ou “tesão” em medicina, fazem o curso: Porque seu diploma oferece um tipo de garantia contra o desemprego.

Creio que esse tipo de pensamento não é o mais apropriado para lhe guiar neste momento da sua vida. A escolha profissional é difícil, porque precisamos equalizar duas coisas muito fortes: o princípio da realidade, que lhe faz realizar e avaliar atividades diretamente relacionadas a sua sobrevivência e o princípio do prazer, que lhe faz buscar alguma atividade que lhe satisfaça.

Sendo médico psiquiatra, psicólogo, psicanalista ou psicoterapeuta comportamental, você precisa estudar muito e dedicar-se em tempo integral e estudar tudo que uma mente humana produziu e produz. Você necessita buscar um entendimento amplo do seu “material de estudo”, ou seja, da mente humana. É uma tarefa bastante trabalhosa e muitas vezes frustrante, mas recompensadora.

Boa sorte!

Anúncios

13 comentários

  1. Oi, acho legal sua pergunta porque passei pela mesma situação e acabei por escolher fazer psicologia; já outros amigos, preferiram seguir a medicina.
    Acho que a fala do Luis Fernando diz bem da escolha de um lado e de outro… e mesmo ele, que escolheu ser psicanalista, mas é biólogo de formação.
    Penso que Psicologia é uma área muito ampla do conhecimento e entra em muitas outras areas (administração, medicina, linguistica)… então, em termos práticos na minha escolha da época e de hoje, talvez seja uma formação mais abrangente.
    Penso que um questionamento é interessante fazer: o que vai me dar mais prazer ou menos desprazer, estudar horas a fio músculos, células, mecanismos fisiológicos ou filosofia, história, personalidade, testes psicológicos? Acho que a resposta pode dar um norte, mas “o caminho, caminhante, se faz ao caminhar” e essa escolha pode ser pensada, como diria um veterano meu, na lei da menor angústia.
    A medicina hoje em dia é também uma área muito abrangente e a prática clínica pede profissionais interessados também pelo lado psíquico do paciente, nesse sentido, é preciso profissionais sensíveis a isso.
    Tanto uma área como a outra exige dedicação e esforço (mesmo a medicina, o mercado de trabalho, também não é tão bom como já foi e o mercado da psicologia está em plena espansão).
    Sobre a família, acho que seus pais vão apoiá-lo no que precisar, confie nisso!
    Espero ter ajudado em alguma coisa, ou pelo menos atrapalhado menos.
    Até

    Curtir

  2. Tô passando pela mesma situação que este leitor!
    O que tá me deixando maluca é que passei a vida inteira dizendo que meu sonho era a medicina, e talvez ainda seja, só que é um sonho superficial, um sonho quase por puro status e não por gosto pela profissão, pelo que eu vou ter que estudar até chegar à psiquiatria. O que eu gosto mesmo está sempre ligado à mente, ao comportamento, ao psíquico e não ao “físico” do ser humano. Eu sei que não vou aguentar passar anos estudando a fisiologia quando o que me atrai e me interessa mesmo é a mente, só que terminei o ensino médio há três anos e estive batalhando esse tempo todo pela medicina, mesmo sabendo que tudo me leva para a psicologia. Não sei o que fazer. Todos sabem que meu sonho “é” a medicina. Quando digo que mudei minha escolha, admiram-se, riem, zombam da profissão e dizem que “depois você se especializa em psiquiatria, se quer tanto estudar a mente, mas psicologia não!”. Há um preconceito tanto com a profissão quanto porque eu passei 18 dos meus 20 anos querendo ser médica sem ao menos me dar (ou me darem) o direito de realmente ver o que é a medicina. Agora que eu enxergo claramente, vem a pressão externa, as cobranças, as chantagens, ficam lembrando o quanto bancaram para que eu buscasse a medicina e eu não sei mais o que faço! Penso que, se não fizer medicina, vou acabar sendo perseguida pelo “e se eu tivesse feito…” ou pelo “Por que eu não fiz…”. Mas, por outro lado, penso que se fizer medicina, vou estar frustrada por estar estudando algo que não preenche meu “vazio”. Até chegar a psiquiatria, eu terei enlouquecido com tantos livros e assuntos que não me trarão as respostas ou as reflexões que eu quero encontrar! Quando vejo matéria científica, não me sinto atraída pelo assunto. Leio superficialmente. Me sinto provocada pela mente humana. Devoro personagens complexos de tantos livros apenas para refletir sobre o ser humano. Se fizer medicina, vou fazer o curso rezando para acabar logo. Se fizer psicologia, sei que vou sentir um prazer imenso em estudar. Hoje em dia, quando me imagino aluna de medicina, choro de tristeza por me ver sempre com uma ponta de irrealização no peito! É frustrante ficar entre o prazer (até um certo talento) do presente e um sonho do passado. Mas a pressão externa, que é absurdamente grande, não diminui e eu estou cada dia mais nervosa, mais desesperada, mais angustiada… Não sei o que faço. :S

    Curtir

  3. Olha, vou recomendar que leiam o livro “Freud: Uma vida para o nosso tempo” de Peter Gay (biografia de Freud). O livro é grande, mas bem no inicio mostra o jovem Freud em duvida se cursava ciências humanas (direito) e ciências medicas (medicina).
    Ele foi fazer medicina muito mais para pesquisar em laboratório do que para ser médico, mas no meu do caminho. as coisas mudaram, como sabemos. Ele criou sua própria profissão.
    Leitura imperdivel!!

    Curtir

  4. Oi Pessoal!
    Me identifiquei muito com tudo que eu li aqui! Eu também estou com a mesma dúvida e achei que não era comum, por as profissões serem de áres distintas. Quanto a família, acho que quem vai estudar e se dedicar é você e o mercado sempre tem espaço para bons profissionais que exercem a profissão com a alma, ou seja, com animação, prazer, pois ambas as profissões são muito importantes. Se você optou por psicologia, converse com seus pais e mostre que é oq vc realmente quer e fará com o coração! E como cada um já conhece os pais que tem, reflita o melhor jeito de convencê-los que isso vai ser bom pra vc! assim vc até já vai estar treinando as habilidades de um psicólogo! rsrs Eu andei não me decidi, pois gosto das duas áreas, seja qual for a escolha tem que ser consciente e baseada em boas informações, depois que escolher é não olhar para trás e dar o seu melhor! Fico feliz de poder compartilhar meus pensamentos aqui e ver que outras pessoas estão passando pela mesma situação! Ps. O bom médico precisa compreender as angustias, ansiedades e sofrimentos emocionais das pessoas, porque seres humanos não são só órgãos. Levem isso em conta também!

    Curtir

  5. Já comigo acontece o contrário: eu faço o 1° período de psicologia mas estou pensando em trancar e tentar pra medicina.
    Psicologia COM TODA A CERTEZA DO MUNDO é um curso lindo mas talvez não seja pra mim. Quando menor eu queria fazer medicina mas por influência da minha vó, desde o ensino médio eu parei de pensar assim e comecei a ter curiosidades quanto à psicologia (mas no fundo medicina ainda me atraia).Pra falar a verdade eu não sei muito bem o que fazer hahaha. Ambos os cursos são perfeitos.
    Penso em fazer medicina e quando terminar faço uma especialização + psicanálise.
    É, eu acho que só fiz aumentar a sua dúvida com as minhas, desculpa kkkkkkk.

    Curtir

  6. Sou estudante de psicologia do 6º período, tive dúvidas como essas apresentadas. No início fiquei frustrado imaginando que o psiquiatra poderia fazer todas as coias que o psicólogo faz, mas na realidade um não substitui o outro, ou melhor, soma. Pois da mesma forma que só o psiquiatra pode fornecer tratamento medicamentoso, só o psicólogo pode aplicar TESTES. Sem contar que o campo de trabalho do psicólogo vai além da clínica e hospitais. Não há psiquiatras em empresas, escolas, esportes etc. Como já mencionei, um não substitui o outro e tanto um como o outro necessitará de muita leitura e muita dedicação, abraço a todos.

    Curtir

  7. também vivo em constante conflito comigo mesma. esse ano é muito decisivo, e particularmente não sei o que fazer. sempre quis psicologia, mas tenho condições para fazer medicina na particular. mas tenho medo de não ter a mesma expectativa, pois será muitos anos até a psiquiatria. E ao mesmo tempo um terrível paradoxo entre psicologia… sem falar no mercado de trabalho. e o medo de no futuro bater um arrependimento.

    Curtir

  8. Olá,

    Engraçado que estava pesquisando sobre áreas da psicologia e encontrei esse site, e estou vivendo o mesmo drama de todos vocês. Eu fiquei 2 anos e meio tentando medicina, no fim acabei me encantando pela psicologia e comecei a cursar no meio do ano passado (2011), agora que finalizei o primeiro semestre (adorando o curso) minha irmã me deu oportunidade de tentar medicina numa particular, falando que iria bancar para mim. Entrei em crise (e estou nela até hoje) pois minha irmã vai usar muito da renda para pagar Medicina por anos e anos, e não terei tempo nem dinheiro para fazer mais nada, além de viver pela faculdade, estudos, livros, etc… Enquanto se eu permanecer na psicologia (curso noturno e mais barato) eu terei menores gastos e mais tempo durante o dia para arrumar empregos, estágios, sem contar que sou apaixonada por musica (toco flauta) então poderei continuar nas aulas…coisas que a medicina irá sugar da minha vida. Ai no fim a questão é, será que (para mim) será vantajoso cursar medicina e viver somente para ela, abdicando de todos os meus outros desejos? Ou é melhor permanecer onde estou, podendo fazer outras coisas que tanto gosto, mas no futuro ter o perigo de me arrepender de não ter agarrado a oportunidade e me sentir frustrada? Pois é, está tenso ! Mas espero que todos encontrem o caminho certo né?(=

    Curtir

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s