Glenn Close e a quebra de estigmas nas doenças mentais


por Rafael Naime Ruggiero

_

O evento começou oficialmente em um dos salões principais do enorme centro de convenções de San Diego e a atração da abertura era a Glenn Close. Sim essa mesma, a atriz de Hollywood, esta que participou de filmes como “Atração Fatal”, “A Casa dos espíritos”, “101 e Dálmatas” e mais recentemente vive a advogada Patty Hewes no seriado “Damages”. Confesso que quando ainda sobre solo brazuca, bisbilhotava a programação do SFN 2010 fiquei surpreso com o nome da atriz na conferência de abertura. Se por um lado representava o tamanho e importância do congresso não podia deixar de me perguntar: “Que raios uma atriz como a Glenn Close tem a falar para uma platéia de neurocientistas?”.

Quando cheguei ao local estava quase todo lotado e mais e mais pessoas chegavam e tentavam se acomodar no gigantesco salão. Após uma breve apresentação do presidente da SFN, Michael Goldberg, Glenn subiu ao palco acompanhada de mais duas pessoas, desconhecidas do grande público. Ela iniciou sua fala com bastante piadas e passou alguns trechos de seus filmes –  tudo em um contexto de humor – para quebrar o gelo inicial.

Feito o contato inicial, com uma esperada ótima atuação da atriz que rapidamente ganhou a plateia, Glenn começou falar que ela tinha sido a primeira mulher a ter seu genoma inteiro mapeado e após mais uma série de boas piadas ela começou a explicar o porquê disso. Glenn vem de uma família cuja prevalência de transtornos psiquiátrico é alta, ou seja, várias pessoas de sua família apresentam doenças mentais como esquizofrenia, transtorno bipolar ou depressão. Como todas essas doenças apresentam um componente genético, e Glenn não apresenta nenhum desses transtornos é bastante notável e importante o mapeamento do de seu genoma para o conhecimento dos genes envolvidos e a compreensão do componente ambiental nesses transtornos.

O título da palestra “ “Bringing Change to Mind on Mental Illness,” (Trazendo mudanças para a mente nas doenças mentais) começou a fazer mais sentido. A atriz criou conjuntamente com outras instituições  uma organização chamada “Bring Change 2 Mind” (http://www.bringchange2mind.org/) que visa a quebrar os estigmas e preconceitos da população com relação aos doentes mentais trazendo informação de fácil acesso e simples sobre esta doenças e além disso trazer apoio e informações para pessoas que apresentam ou tem familiares com tais doenças. Feito isso Glenn nos apresentou a sua irmã Jessie Close e seu sobrinho Calen Pick  portadores de transtorno bipolar e esquizofrenia respectivamente. Nos 60 minutos seguintes cada um deles relatou experiências pessoais de como foi e é viver com estes transtornos.

Seus depoimentos foram emocionantes e motivadores. Nós que trabalhamos com a neurociência experimental muitas vezes com assuntos relacionados (meu trabalho esta intimamente relacionado com o entendimento do transtorno bipolar), mas ficamos longe dos pacientes, acabamos por desconhecer um importante aspecto de nosso trabalho. Uma coisa é você ver a descrição das doenças, dos sintomas, as estatísticas e os processos neurais subjacentes em um frio papel preto e branco de um artigo científico, outra bem diferente é você ver duas pessoas em carne e cor contando o lado emocional de como suas subjetividades interagiram e foram comprometidas ao longo do surgimento e desenvolvimento da doença. (http://www.sfn.org/index.aspx?pagename=am2010_highlights)

Achei muito interessante esse contato entre neurocientistas (creio que na maioria experimentais, ou seja, trabalhando com modelos animais em seus laboratórios) e o paciente, ou tema de estudo “personificado” com a complexidade que nenhum texto técnico pode desfiar. Os cientistas saem mais conscientes da importância e das limitações de suas pesquisas e contextualizados com o lado humano omitido no cotidiano laboratorial. Pessoalmente saio mais motivado para voltar a bancada do laboratório e poder contribuir para um melhor entendimento e para uma melhor qualidade de vida para as pessoas que possuem estas doenças mentais.

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s