cancer21

PSICOSSOMÁTICA (4) – CÂNCER SOB PERSPECTIVA PSÍQUICA


No século XIX, como nos séculos antecedentes, o diagnóstico de câncer era visto como um equivalente à própria morte. Não havia causa ou cura e, revelar o diagnóstico para o paciente era considerado um ato cruel e desumano. Já no século XX a cirurgia do câncer foi progressivamente melhorada e procedimentos anestésicos foram desenvolvidos, sendo possível curar o câncer se houvesse um diagnóstico precoce e logo após sua retirada imediata antes que se espalhasse (Holland, 2002).

Em 1913 a Sociedade Americana do Câncer promoveu programas educacionais que objetivavam encorajar as pessoas em um diagnóstico precoce da doença (American Cancer Society, 1980). Radioterapia passa a ser um método para o tratamento, sendo oferecida como cuidado paliativo, mesmo após um insucesso na cirurgia sendo muito temida pelos pacientes (Aaronson, 1991; Shimkin, 1977). Na década de 50 a introdução da quimioterapia alterou beneficamente o prognóstico para muitos tipos de câncer e reduziu o pessimismo acerca da doença, sendo registrado o primeiro caso de cura por quimioterapia (Holland, 2002). Apesar dos avanços, Okeni (1961) mostra que mais de 90% dos médicos ainda não revelavam o diagnóstico para os pacientes com câncer.

Desde os tempos mais remotos encontramos relatos como o de Galeno, proeminente médico e filósofo romano de origem grega, referindo que o câncer é mais comum em mulheres melancólicas que nas sanguíneas (Souza et al., 1995). Nos anos 60, uma série de investigações psicológicas defendia teorias de uma etiologia psicogênica para o câncer. LeShan e colegas (1966) concluem que aspectos psicológicos como uma perda significativa não resolvida, inabilidade de expressar frustração e raiva e laços fracos de relacionamentos são características comuns em pacientes com câncer. Schmale e colegas (1964) associaram padrões de separação e perda, depressão e sentido de esperança e desesperança com o desenvolvimento do câncer. Kissen (1966) observou que, em pacientes com câncer de pulmão, havia uma capacidade diminuída de descarga afetiva apropriada. Bahnson et al. (1966) propõe um modelo teórico para a etiologia psicogênica do câncer chamado de “complementaridade psicofisiológica”, mostrando que conflitos emocionais reprimidos associados à perda facilitariam o desenvolvimento de neoplasias.

Era inaugurada a psico-oncologia, com inicio formal em meados dos anos 70 quando o estigma em torno da palavra “câncer” (que a tornava “uma palavra para não ser dita”) diminuiu até o ponto em que o diagnóstico passou a ser mais facilmente revelado e os sentimentos dos pacientes passaram a ser explorados (Holland, 2002). Em 1971, a Divisão de Controle de Câncer e reabilitação do Instituto Nacional do Câncer foi formada para fomentar a pesquisa psicológica e comportamental em pacientes com câncer; e em 1975 a primeira conferência sobre os aspectos psicossociais do câncer foi realizada nos Estados Unidos (Cullen et al. 1977). Até semana que vem!

OBS: Para obter referências bibliográficas completas entre em contato.

3 comentários

  1. Sim…Realmente as mulheres melancólicas, são as que mais sofrem e estão aptas a predisposição p/ desenvolver células canceriginas..Além disso a imunidade cai bastante e tbém a perda de peso é impressindivél.Para quem sofre de depressão, por motivos; como você citou acima; perdas, fustrações e outros aconteimentos na vida desde a infância como :traumas, estrupos,uma gravidez precoce, abusos sexuais do próprio conjuge e pedindo muitas vezes auxílio a família e não sendo correspondida. essa menina ou mulher sofre demais e ao longo dos anos guarda rescentimentos e muita raiva por não poder expremir seu real valor, vontades, desejos e sentimentos mais profundos..e por via das vezes nascida e criada em um sistema de muita rigidez e ditadura fica mais complicado ainda. porque talvez essa menina já sofre antes mesmo de ter vindo a este mundo..A gestação é muito importante investigar. A gestação do feto que passou com a mãe por muitos problemas, já sogfridos pela própria mãe e ambiente familiar já diz tudo..Que nem por exemplo no meu caso fui gerada com muito medo por o pai bater muito na mãe mesmo grávida e tbém, essa criança não ter sido desejado pelos mesmos…Por consequencias não de naõ qurerem mas pelas situações do momento por já terem dois filhos e um pai agressivo..garanto que pela minha mãe sempre fui amada e desejada..acredito eu, mas pelo pai foi sempre complicado porque ele já não queria ter filhos nenhum..Essa mãe, já teve que pelo próprio pedido do marido e com a ajuda da sogra forma em clinicas de aborto. Muito comum nos anos 60 e provocou 4 abortos.. Que judiação não é…Pocha como essa mãe deve ter sofrido e os outos quatro que vieram foi por deus mesmo…Bem vou ficando por aki…Abraços e confio plenamente na pissicossomática e nos danos que causam em nosso corpo e comportamento feminino…

    Curtir

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s