Videos

CHARLES DARWIN NO CARNAVAL 2011

Samba Enredo 2011 – O Mistério da Vida G.R.E.S União da Ilha do Governador (RJ)

Composição: Gugu das Candongas / Marquinhus do Banjo, João Paulo, Márcio André Filho / Arlindo Neto / Ito Melodia

Minha alegria vai girar o mundo
Aventureira vai cruzando o mar
Trazendo Darwin na memória
Histórias vou desvendar
Um relicário de beleza natural
É o esplendor do carnaval
Que maravilha, nessa terra vou desembarcar
O show da Ilha vai começar

No fundo do mar eu vi brotar
Se multiplicar a vida
Mistérios vão se revelar
Nas águas que vão me levar… a caminhar

A terra abriu um sorriso
E o paraíso vai me ver chegar
Seres estão antenados
Pequenos alados bailando no ar
Lindos animais na passarela
E lá no céu, a mais linda aquarela
Do alto surgiu diferente
Não sei se é bicho, não sei se é gente?
Somos frutos do mesmo lugar
A árvore da vida vamos preservar

Hoje eu quero brindar… a Ilha
Nessa avenida dos sonhos brilhar
O meu amanhã, só Deus saberá
A vida vamos celebrar

 

Anúncios

OS NÚMEROS DE 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog: (mais…)

PSICANÁLISE NA NOVELA

Na novela das nove na TV Globo (Passione), além de termos os velhos clichês de sempre, percebi uma trama até que bem bolada e exemplos simplificados, mas bem interessantes, de como se desenvolve um processo psicanalítico. Flávio Gikovate, um psiquiatra famoso e competente que aparentemente não se liga em nenhuma corrente psicológica, me faz lembrar de um psicanalista. Gérson, o personagem perturbado por um segredo obviamente sexual, inicia a sessões ainda encabulado. Aos poucos a dupla (analista/analisando) vai funcionando, e os dois passam a ser cúmplices. Gérson, enfim, revela seu segredo de que fora abusado na infância por uma mulher gorda, fedida e ensebada que o beijava. Atrevo-me a pensar na psicanálise porque Flávio Gikovate se utiliza de interpretações freudianas como: “A criança registra o ato sexual mais como uma luta do que como uma forma de carinho e de prazer”.

(mais…)