Neurociencias

EVENTO REÚNE NEUROCIÊNCIAS E EDUCAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO

CONFIRA O SITE DO DEPARTAMENTO DE NEUROCIENCIAS – www.nucleotavola.com.br/neuro

____________________________________________________________

Nos dias 10 e 11 de dezembro, Ribeirão Preto sediará o I Fórum de Neurociências e Educação, evento que reunirá profissionais e pesquisadores de diferentes áreas, com o objetivo de criar um ambiente que favoreça a discussão e troca de experiências em torno dos processos e problemas relacionados ao ensino e aprendizagem em sala de aula, bem como no ambiente da pesquisa científica.

As palestras abordarão temas de interface entre neurociências e educação, como aprendizagem, avaliação, divulgação científica, emoções, memória, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e artes. A Casa da Ciência do Hemocentro de Ribeirão Preto apresentará suas experiências no processo de ensino/aprendizagem e difusão científica em quase uma década de atividades com alunos da rede básica de ensino, professores e pesquisadores. Além disso, haverá participação de professores da Faculdade de Medicina e Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP de Ribeirão Preto e do Instituto de Física da USP de São Carlos que ministrarão uma série de palestras.

(mais…)

Anúncios

PIRULITO DA CIÊNCIA

esse é bom!

Fiquei muito intrigado com esse título de novo disco e DVD do Tom Zé. Morri de vontade de perguntar para ele, que diabos é esse “Pirulito da Ciência”. No “Programa do Jô” ele responde categórico: “As perguntas melhores são aquelas que agente não sabe responder”. Então resolvi escrever este texto.

Hoje em dia vemos uma incrível popularização da ciência. Toda mídia se volta para os resultados e novos ditames dos estudos científicos. Que eu me lembre, o ovo de galinha, por exemplo, já foi considerado vilão do colesterol, depois foi considerado benéfico, e assim vai. Baseado em estudos científicos, a sociedade vai se reestruturando, pouco importando agora o conhecimento popular. Você pode até tomar o chá que sua avó prescreve para dor de barriga, mas vai ao médico e segue a risca suas recomendações. Compra revistas que anunciam tal regime como cientificamente testado, e compra aquele aparelho de ginástica que foi testado pela NASA. Afinal, agora os doutores das universidades aparecem no programa “Fantástico”, fazendo surgir um “admirável mundo novo”, correto e racional, regido pelas regras científicas.

Toda essa parafernália para nos auxiliar na dura tarefa de viver e ser feliz parece cada vez mais concreta, de modo que, se você não é feliz e sorri em fotos, se sente culpado; porque afinal, hoje em dia só não é feliz quem não quer. Está tudo ao nosso alcance, nas prateleiras das farmácias, bancas de jornal e num toque de botão no controle remoto.

Foi nos dado o pirulito da ciência, tal qual o pirulito que damos a uma criança para que se distraia da vida. O pirulito da ciência consiste nas garantias confortantes e saborosas que a ciência oferece ao homem moderno o tornando um ser extremamente comportado, normal e resignado e, ao mesmo tempo, infantil e tolo.

Vai tirar o pirulito da boca de uma criança para ver o que acontece…

__

SHOW DO TOM ZÉ EM Junho

RIBEIRÃO PRETO
14/6, às 21h, Praça 15 de Novembro,
Feira do Livro de Ribeirão Preto
Show O PIRULITO DA CIÊNCIA, com a banda

ESPIRITUALIDADE E NEUROCIÊNCIAS

Religião, espiritualidade, experiências extracorpóreas e neurociências. Parece o inicio de mais um livro de autoajuda que mistura religiões orientais e física quântica prometendo o segredo para o sucesso. Entretanto foi exatamente esse o tema de um recente trabalho científico publicado na revista Neuron. Pesquisadores italianos relataram que certas áreas do cérebro humano estão ligadas à espiritualidade e que alterações nessas estruturas podem influenciar na propensão a experiências espirituais.

O estudo chefiado por Cosimo Urgesi da Universidade de Udine teve como foco o que é chamado de autotranscendência: “a tendência de se projetar em dimensões mentais que transcendem contingências m (mais…)

SOCORRO, NÃO ESTOU SENTINDO NADA! – 2

alexitimia

abra o zipper!

A alexitimia[bb] (do grego, “a” sem; “lexus” palavra; “thumus” coração, sentimento, afetividade). Termo utilizado para definir pessoas que não tem palavras para definir o que se passa no seu mundo afetivo. Na medicina psicossomática[bb], o distúrbio é estudado desde a década de 60, com um aprofundamento crescente e mais de 2000 estudos realizados.

(mais…)

SOCORRO, NÃO ESTOU SENTINDO NADA! – 1

alexitimia

Falar o que sentimos não é tão simples

Característica básica de alguns organismos vivos é a capacidade de “sentir”. Em organismos básicos (planárias, insetos em geral, etc.) essa capacidade de sentir refere-se a uma reação bastante estereotipada, que o permite captar certas condições do meio e reagir no sentido de se aproximar ou se distanciar. Em humanos, essa capacidade é bastante refinada. Continuamos tendo reflexos simples a situações extremas, mas o sentir adquire outras funções, como por exemplo, a função de constituir e preservar laços sociais, familiares e amorosos.

(mais…)

A CIÊNCIA E A MUDANÇA DE MUNDOS

Chegando ao final de minha graduação em Ciências Biológicas, durante o processo de confecção de minha monografia, surgiu uma importante questão: “Como minha mãe, uma dedicada dona de casa, vai ler isto?”
Entre termos técnicos, gráficos, tabelas e tudo que um artigo científico tem, abandonei a idéia de, naquele momento, tornar a tarefa mais fácil à minha mãe. E de fato ela não pôde ler, mas mesmo assim, me parabenizou e ficou de certo modo orgulhosa por seu filho fazer parte, agora oficialmente, de um seleto grupo que adquire diploma universitário e dedica sua vida a pesquisa científica. (mais…)

CHARLES DARWIN: UM DEMÔNIO DE 200 ANOS

Caricatura publicada na revista Hornet 1871: Darwin é retratado como um macaco.

São duas datas importantes que comemoramos este ano de 2009: a primeira diz respeito ao 200 anos de Charles Darwin (1809-1882) e a segunda é referente aos 150 anos desde a primeira publicação do livro “A Origem das Espécies” (1859). Darwin estudou Medicina sem concluir o curso todo e depois Teologia, mas se encantou mesmo com a História Natural (É bom observar que as carreiras modernas como Biologia, Psicologia, etc, não existiam ainda).

Em 1931, o grande aventureiro faz então uma viajem de aproximadamente 4 anos pela America do Sul, em que pode observar uma grande diversidade de organismo, fósseis e condições naturais. Foi o início de observações e conclusões lógicas que o levariam mais tarde a publicar o importante estudo que traria sua imortalidade.

Muito se fala sobre o impacto das idéias Darwinistas, que elas não são aceitas por grande parte da população, e que o Criacionismo esta sendo amplamente “divulgado”, sobretudo nos Estados Unidos. Mas afinal por que somos tão relutantes com relação às idéias de Darwin? (mais…)